Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10884/1127
Title: O impacto do Registo Clínico Eletrónico na Economia da Saúde
Authors: Bandeira, Alexandra
Keywords: Sistemas de informação
Saúde
Issue Date: 2017
Citation: Bandeira, Alexandra (2017). O impacto do Registo Clínico Eletrónico na Economia da Saúde. Barcarena: Universidade Atlântica
Abstract: O sector da saúde é, atualmente, um dos que mais cresce no contexto das economias europeias. Cresce mais rapidamente e, consequentemente, cria mais novos empregos do que a maioria dos outros sectores. São vários os fatores que contribuem para o crescimento do sector da saúde. Destaco, desde já, o aumento da esperança de vida dos cidadãos com consequente envelhecimento da população, o aumento das exigências dos cidadãos e pacientes, em consequência do aumento da sua literacia e o aumento da mobilidade dos cidadãos (pacientes e profissionais de saúde). Neste contexto, as despesas governamentais com o sector da saúde continuam a aumentar, e muito, correndo-se o risco de em vários países europeus podermos chegar a sistemas nacionais de saúde públicos insustentáveis se, entretanto, nada for feito para a sua racionalização se não existir uma melhoria dos serviços prestados. A informática de saúde é normalmente apontada como uma área que poderá contribuir positivamente para o sector da saúde, desde que seja bem gerida pelas e nas unidades de saúde, o que não acontece diariamente. A informática de saúde é atualmente um assunto de importância crescente, pelo contributo que pode dar na modernização e melhoria da prestação de cuidados de saúde, através de uma melhor gestão da informação de saúde assim como dos recursos associados. Neste capítulo, como objectivo principal, irei fazer uma análise da situação da informática de saúde em Portugal e apontar algumas prioridades de evolução. Pelo fato de as tecnologias de informação serem hoje uma vertente bastante importante no âmbito hospitalar, pretendo analisar de que forma os sistemas de informação se relacionam, direta ou indiretamente, com a implementação das iniciativas no âmbito da qualidade como a certificação e acreditação. Com este estudo procurei verificar se os prestadores possuem práticas de documentação consolidadas e, embora a maioria deles possua já um sistema de informação instalado na sua organização, a verdade é que mais de metade dos prestadores ainda não se libertou totalmente da documentação em papel. A adesão aos SI ainda se faz de uma forma muito díspar entre os diferentes prestadores, observando- se prestadores que possuem toda a informação clínica agregada num mesmo sistema, assim como outros em que apenas a informação administrativa é documentada de forma informatizada. Verifiquei que embora já exista uma considerável adesão às mais diversas iniciativas no âmbito da qualidade, o recurso a sistemas de informação como meio de sustentação destas mesmas iniciativas é ainda muito primário, baseado sobretudo em soluções informáticas bastante elementares que não são claramente suficientes para aquilo que são as necessidades dos tempos atuais. Conclui-se que a organização dos sistemas de informação em Portugal, assim como a autonomia nos procedimentos das entidades que criaram estes sistemas, as diferentes bases de dados, são as possíveis causas destas discrepâncias, nas quais as unidades de saúde não têm nenhum grau de controlo, embora estas sejam as principais prejudicadas ao não ter informação fidedigna.
URI: http://hdl.handle.net/10884/1127
Appears in Collections:CE/GS - Trabalhos Finais de Licenciatura

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese_versao_final.pdf607.04 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.